domingo, 6 de novembro de 2011

A gente colhe o que planta

video

A Gente Colhe O Que Planta

Já faz mais de dois mil anos
Que um homem veio à terra
Ensinar prá gente
A força do amor...

Infelizmente o ser humano
Ainda continua em guerra
E quanto menos consciência
Maior a dôr...

A gente colhe o que planta
Disso ninguém vai fugir
Por isso é que não adianta
A gente não pode mais
Se omitir...

Mais coragem, mais vontade
Tá faltando, eu reconheço
Todos querem a verdade
Mas no fundo
Ninguém quer pagar o preço...

Já faz mais de dois mil anos
Que um homem veio à terra
Ensinar prá gente
A força do amor...

Infelizmente o ser humano
Ainda continua em guerra
E quanto menos consciência
Maior a dôr...
Mas um dia a gente vai
Finalmente compreender
O amor que o nosso Pai
Tem por mim e por você...

E esse amor vai ensinar
O que a gente quer saber
Quem tem olhos prá enxergar
Vai ver! Vai ver! ...

Oh! Oh! Oh! Oh! Oh!
Oh! Oh! Oh!

sábado, 29 de outubro de 2011

Este final de semana está acontecendo o FEC, Fórum Espírita do Cariri. Este ano realizado aqui em Juazeiro no antigo prédio da URCA, próximo ao Hospital Regional do Cariri.
O FEC conta com a presença de palestrantes da região e também de outros estados, com o tema "Em busca de Espiritualidade."

domingo, 31 de julho de 2011


Há um ano atrás, um grande amigo deixava essa terra para retornar ao mundo espiritual. Muita tristeza nos causou, hoje a saudade permanece, mas somos gratos a Deus, por termos convivido com ele durante muito tempo.
Luiz Karimai, Deus te ilumine.
O nosso carinho e os nossos sinceros agradecimentos.
Família Gefis

quinta-feira, 9 de junho de 2011



Pontos de Vendas:
Juazeiro: Ótica Soares - Rua Conceição - centro.
Pétalas Modas (Cariri Shopping)
Mercantil da Hora - Rua Fausto Guimarães - Pirajá.
Barbalha: La Belle Cosméticos.

segunda-feira, 30 de maio de 2011

Campanha do kilo




A campanha do kilo é um trabalho desenvolvido para atender famílias carentes cadastradas no Gefis. Uma equipe sai às ruas para pedir alimentos não perecíveis e assim formar cestas básicas para serem doadas à essas famílias. Esse trabalho acontece todos os domingos, com exceção do segundo domingo do mês, saindo do Gefis às 8:00h da manhã. Sinta-se convidado e seja bem-vindo a esse ato de solidariedade.

Sabão Solidário

O óleo de cozinha que você não vai mais usar, aqui é transformado em sabão. Esse sabão é doado às famílias carentes que são cadastradas no Gefis. Participe! Ajude o planeta, não poluindo o meio ambiente com o óleo que não pode ser mais usado. Você sabia que o óleo jogado no esgoto vai impermeabilizar o solo impedindo a penetração da água, deixando assim as nossas águas subterrâneas mais escassas? Então não perca tempo, junte seu óleo e doe para esse trabalho, você fará duas boas ações de uma só vez.

quarta-feira, 4 de maio de 2011

KARI(RI)MAI

"Ele era um andarilho
Ele tinha um olhar cheio de sol
De águas
De árvores
De aves.
Ao passar pela aldeia
Ele sempre me pareceu a liberdade em trapos.
O silêncio honrava sua vida"
(Manoel de Barros)

Múltiplo! Impossível entender Kari(ri)mai sem a compreensão das suas infinitas facetas, das sucessivas imagens que se vão projetando / refletindo nos incontáveis espelhos da sua obra. A leveza do traço oriental, o marrom-barro de muitas paisagens, o discreto toque surrealista de algumas composições, o sutil toque místico de tantos personagens, a crueza sulista de alguns bicos de pena e principalmente: o clima profundamente espiritualista e etéreo dos firmamentos.Karimai era este mosaico de sensações e de sentimentos. Impossível traçar a trajetória da sua vida sem se valer dos recursos do messianismo, do determinismo, do fatalismo. Como um artista sino-brasileiro, nascido no interior de São Paulo, faz o caminho inverso dos migrantes nordestinos e vem traçar os caminhos da sua existência no interior do Nordeste.Que mãos poderosas o impeliram? Quem empunhou o esquadro e o compasso ante o desafio do papel em branco?

Karimai aqui esteve, aqui viveu e fez brotar vidas. E, na sua meteórica passagem, debuxou incontáveis telas. Como no Gênesis recompôs a obra da criação, em poucos dias. Refez/recontou a viagem onírica do Kari(ri)mai. Não bastasse isso, úmido de espiritualidade, como um beato, fez brotar mais uma fonte das encostas do Araripe: a da solidariedade, da transcendência. Com a placidez de um monge tibetano projetou luz não só através dos seu quadros, mas como reflexo incandescente da sua própria vida. Puro, simétrico, cristalino, translúcido. sequer precisaria de palavras para convencer a todos que existem secretos e misteriosos cadarços que tocam nossos movimentos nesse imenso teatro que é o mundo. Kari(ri)mai era um doce beato, um Antonio Conselheiro sem tons apocalípticos.

Esta exposição traz um pouco da sua imensa produção artística. É apenas uma lembrança, um aperitivo. Foi impossível expor aqui a aquarela mais bonita e vuluptuosa que ele pintou. Até porque ela já se encontra exposta nos espíritos e corações de todos os Kariri(mai)enses, imune aos bolores e rigores do tempo e foi composta com as tintas do amor, da solidariedade e do silêncio.

J. Flávio Vieira